segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Cyborg crê que UFC terá só a divisão de Ronda: 'Não vou ficar me iludindo'

Ex-campeã do peso-pena do Strikeforce diz que, caso isso aconteça, não vê problemas em acertar com outra organização: 'Luto onde for bem-vinda'

>> Siga o Site no Twitter: @DentrodoRingue
>> Siga o Site no Facebook.com/DentrodoRingue

A imprensa americana noticiou na semana passada que o Strikeforce vai fechar as portas após o evento que será realizado em janeiro. Assim, a maioria dos lutadores migrariam para o UFC, já que as duas organizações são gerenciadas pelo mesmo grupo, a Zuffa. Um dos nomes mais comentados em relação a essa transferência dos atletas é o de Ronda Rousey. Ela, inclusive, já teria assinado com o Ultimate, de acordo com o site TMZ. Mas será que o UFC tem planos para várias categorias para as mulheres ou a ideia é surfar no sucesso de Ronda?

Essa resposta interessa muito a outra personagem importante do MMA feminino. Cris Cyborgera campeão do peso-pena do Strikeforce até ser flagrada no doping e depois receber suspensão de um ano, que termina em dezembro. A brasileira, tida como uma das melhores do mundo peso por peso, vem sendo cogitada para uma superluta contra Ronda, mas já deu diversas entrevistas dizendo que não consegue atingir o limite da divisão da americana (peso-galo, até 61,3kg).

Suspensão de Cris Cyborg vai até o fim de dezembro (Foto:Ideraldo Gomes/Globoesporte)

Com a possível entrada do UFC no MMA feminino, Cyborg também já disse que aceitaria enfrentar Ronda no peso-pena (até 65,8kg), onde a americana já lutou, ou então em um peso combinado pouco abaixo disso. A brasileira só fica reticente quanto ao que o Ultimate planeja para a sua categoria.

- Acho que vai ter só a categoria da Ronda. Até porque tem poucas lutadoras, eu entendo o lado deles (do UFC). Não vou ficar me iludindo - disse Cyborg.

Ela mais uma vez explicou por que não conseguiria lutar no peso-galo.

- Eu nunca bati esse peso (61,3kg), baixar para 65,8 já é um sacrifício. Ninguém sabe o que passamos para bater o peso. Não sei se posso lutar no peso-galo, então não posso aceitar uma luta nessa categoria e depois não atingir o limite.

Com as possibilidades de não ficar no Strikeforce ou no UFC, Cris Cyborg abre os olhos para o mercado. O Invicta Fighting Championship passa a ser uma das opções. A organização americana promove apenas lutas femininas e tem até uma presidente mulher. Cyborg diz que conhece uma das sócias e avalia que, se fosse para o Invicta, teria uma carreira mais ativa.

- Não quero ficar me apresentando uma vez por ano. Se tiver lutas para mim na minha categoria ou até na de cima (peso-leve), eu luto. Luto onde for bem-vinda. Está difícil, já comecei a dar aulas porque sei que só com as lutas, do jeito que está, não está me dando tanto retorno.

Cris Cyborg está suspensa por doping desde o fim de dezembro, quando enfim vai poder tentar uma nova licença para lutar. Ela garante que não teve conversas com os dirigentes da Zuffa para decidir sobre o seu futuro. As novidades, então, devem ficar para o ano que vem.



Por:Klima Pessanha/SporTV

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More